Você Gosta de Café? Conheça as Vantagens e Desvantagens de seu Consumo

Composição nutricional: Segundo informações da ABIC (Associação Brasileira das Indústrias do Café), o grão de café (café verde) possui além de uma grande variedade de minerais como potássio, magnésio, cálcio, sódio, ferro, manganês, rubídio, zinco, cobre, estrôncio, cromo, vanádio, bário, níquel, cobalto, chumbo, molibdênio, titânio e cádmio,  aminoácidos como alanina, arginina, asparagina, cisteína, ácido glutâmico, glicina, histidina, isoleucina, lisina, metionina, fenilalanina, prolina, serina, treonina, tirosina, valina; lipídeos como triglicerídeos e ácidos graxos livres, açúcares como sucrose, glicose, frutose, arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos.

 

Adicionalmente, o café também possui uma vitamina do complexo B, a niacina (vitamina B3, PP), importante para a saúde do sistema nervoso, além de auxiliar no tratamento de dislipidemias. Estudos indicam sua ação no sistema límbico, afastando a depressão e produzindo sensação de prazer e bem estar.

 

Segundo um estudo realizado nos Estados Unidos, publicado pelo jornal da Associação Médica Americana em 2000, há um menor risco de desenvolver o Mal de Parkinson para quem consome 3 cafezinhos diários. Desde sua introdução no século XVII por toda a Europa, vários estudos estão sendo realizados com o objetivo de avaliar os efeitos positivos e negativos do consumo de café na saúde humana.

Vantagens e Desvantagens no Consumo do Café

O modo de preparo faz a diferença, o coador de pano e o filtro de papel impedem a passagem das gorduras dos grãos, responsáveis pelo aumento da fração ruim do colesterol (LDL). A maioria dos brasileiros possui o hábito de, após almoço e jantar ingerir um cafezinho. O café possui algumas substâncias como fitato, tanino que chamamos de fatores anti nutricionais, ou seja, estas substâncias atrapalham a utilização de alguns nutrientes.

 

No caso do café, as suas substâncias anti nutricionais, estão diretamente relacionadas à má absorção do ferro, e sabe-se que a deficiência do ferro no organismo, pode ser causa de diversos problemas sérios como anemia, que tem como principal sintoma o cansaço e indisposição. Por isso, o consumo de café deve ser feito duas horas antes ou após as refeições principais, nunca em intervalos maiores e sempre lembrando de não ultrapassar a quantidade recomendada.

 

Confira a seguir a quantidade de cafeína de alguns alimentos, segundo a Dra. Jocelem M. Salgado (Prof. na área de Nutrição Humana e alimentos):

 

Medida                                                  Quantidade média

Café  expresso (140 ml)                                115mg

Café  coado (140 ml)                                     80 mg

Café  instantâneo (140 ml)                            65mg

Café descafeinado, coado (140 ml)              3 mg

Café descafeinado, instantâneo (140 ml)    2 mg

Chá coado (140ml)                                         40 mg

Leite achocolatado (220 ml)                          5 mg

Refrigerante a base de cola (170 ml)             18mg

 

Café e osteoporose:

o consumo moderado de cafeína não possui relação com a osteoporose, mas o consumo exagerado deve ser evitado por pessoas idosas e mulheres na menopausa. Doses acima de 500 mg diários de cafeína (equivalente a 150ml de café coado e 100 ml de café expresso) pode contribuir para a ocorrência de osteoporose, mas apenas nas mulheres que consomem uma quantidade inferior a 800 mg de cálcio na dieta.

 

Problemas  digestivos relacionados ao café:

no caso de indivíduos com gastrite ou úlcera, cuidado, pois  a cafeína em excesso estimula a acidez gástrica. Além disso, a cafeína em excesso também pode estar relacionada com o aumento dos níveis de pressão arterial e arritmias, devido a sua ação estimulante. Lembre-se que a cafeína também é encontrada no chá mate, chá preto, chocolate e bebidas à base de cola.

 

Café e emagrecimento:

a ação antioxidante do café devido à presença de cafeína e polifenóis, tem sido amplamente estudada; sua ação é inibir a peroxidação lipídica causada pelos radicais livres (que podem aumentar os níveis do mau colesterol – LDL). Há relatos de que estes radicais livres estão presentes somente no café torrado e não nos grãos e também presentes no modo de preparo do café –  instantâneo ou coado. A cafeína, além da ação antioxidante, também age como estimulante, aumentando o metabolismo e ajudando na queima de calorias.

 

Café e atividade física:

A cafeína tem sido considerada uma substância de auxílio ergogênico, ou seja, que potencializa a performance durante a atividade física, atuando como estimulante do sistema nervoso, aumentando a tensão dos músculos e ajudando na mobilização de substratos de energia para o trabalho muscular. Porém, em excesso pode ser considerado doping.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.